Publication
Licitações para pequenas empresas: novidade da década de 40

Search

Find in the RICG database information organized by thematics, countries and type.

Advanced search
Passados mais de (4) quatro meses da aprovação no Congresso Nacional do texto 
que deu origem à Lei Complementar nº 123, sancionada em 14 de dezembro de 2006, 
muitos ainda se dizem surpresos e perdidos com as novas regras que possibilitam um maior 
espaço e mais acesso das microempresas e empresas de pequeno porte às licitações 
públicas, especialmente, porque pendentes a regulamentação e a adaptação de sistemas e 
procedimentos licitatórios. 

Entretanto, não há motivo para perplexidade, porque as normas trazidas pelo novo 
Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte foram inspiradas em 
experiências internacionais de longos anos, com resultados positivos e seus problemas 
típicos. E o Brasil não precisará usar a unicamente criatividade, mas sim analisar a vasta 
experiência dos outros países, para saber como essas normas poderão ser adaptadas à sua 
realidade, a exemplo do que ocorreu com o pregão eletrônico, que foi implantado no ano de 
2000 depois de estudadas as diversas falhas e os problemas do pioneiro “Federal 
Acquisition Computer Network – FACNET”, sistema eletrônico unificado criado pelo 
Governo dos Estados Unidos em 1997.